Cyndi Lauper continua estonteante

Passado todo esse tempo sem nenhum lançamento inédito relevante, Lauper reuniu 12 ótimas faixas em Bring Ya to the Brink

Flavinha Campos

A cantora pop Cindy Lauper lançou seu primeiro álbum, She’s So Unusual, em 1983, ao mesmo tempo em que Madonna também estreava. Ao longo desses 25 anos, as duas tiveram trajetórias bastante diferentes: Madonna foi coroada a rainha do pop, e sofreu muitos altos e poucos baixos enquanto Lauper caiu no esquecimento e foi de mal à pior. Mas neste ano de 2008, as duas têm uma coisa em comum: ambas estão promovendo seus trabalhos voltados às pistas de dança.

Após o fracasso de seu último álbum de faixas inéditas, Sisters of Avalon, de 1997, Lauper voltou com tudo em Bring Ya to the Brink. Uniu forças com nomes como os mestres do techno europeu Basemente Jaxx, Dragonette e Richard Morel (produtor do Deep Dish, Depeche Mode e muitos outros) para co-produzir e co-escrever faixas que têm apelo às pistas de hoje em dia com certo toque retrô. O disco começa com “High and Mighty”, que carrega vocais “blueseados” em cima de uma base de sintetizadores rítmicos.

A poderosa “Into The Nightlife” mescla influências trance num pop “orgasmatrônico” . “Rocking Chair” contou com a colaboração do Basement Jaxx para produzir uma faixa divertida e diferente. “Echo”, assim com “Into the Nightlife”, foi sabiamente co-escrita e co-produzida por Peer Aström e Johan Bobeck, se destacando pelas linhas de sintetizadores compassados e vocais suaves que levam eco, assim como o título.

“Lyfe” conserva um tempero R&B que não desce muito bem, mas enfim… Logo na seqüência vem a glamurosa “Same Ol’ Story”, que entra nos domínios Disco com muito brilho e paetê. Produzida por Richard Morel, é uma das faixas que mais se destacam no repertório. “Raging Storm”, também produzida por Morel, traz um tom de protesto à pista de dança: “Você pode lutar pelo direito de ser, mas você está poluindo sua mente com celebridades” , canta ela. “Lay Me Down” prova que Lauper ainda está no páreo, com uma canção pop regada a sintetizadores trance.

A enérgica e durona “Give It Up” contou com a colaboração de Digital Dog, que já fez remixes para nomes como Pussycat Dolls e Rihanna, enquanto “Set Your Heart”, também co-produzida por Morel, enche a atmosfera de energia positiva e euforia. “Grab a Hold” oferece um toque pop retrô atualizado, com ajuda dos moderninhos do pop canadense Dragonette – super divertida, à La “Girls Just Wanna Have Fun”. “Rain on Me” também lembra o sucesso do passado “Time After Time”, só que mais animadinha, com uma roupagem anos 2000.

Bring Ya to the Brink conseguiu unir o passado e o presente em um disco que não só vai agradar às pistas de hoje, mas também promete satisfazer os fãs que acompanham a cantora desde o início de sua carreira. Com o presente trabalho, Cindy provavelmente não vai atingir o topo das paradas do pop, como Madonna fez com Hard Candy, mas considerando as circunstâncias, temos aqui, sem dúvidas, um retorno glorioso de Lauper, que carrega nada mais nada menos que 55 anos nos ombros e uns quilinhos a mais na cintura.

Artista: Cyndi Lauper
Álbum: Bring Ya to the Brink
Lançamento: Epic Records
Gênero: Pop; Dance; Disco
Preço: 23 reais
TRACKLIST
1. High and Mighty
2. Into the Nightlife
3. Rocking Chain
4. Echo
5. Lyfe
6. Same Ol’ Story
7. Raging Storm
8. Lay Me Down
9. Give It Up
10. Set Your Heart
11. Grab a Hold
12. Rain on Me

Share

3 Comments

  1. Diego Rocha Reply

    Sou fã acérrimo de Madonna mas tenho pena que Lauper se tenha caído no esquecimento. Adoro “Girls just want to have fun” and “True Colors”. Espero que ela nao tenha complexos em relação a isso.

  2. Érica Albissú Reply

    Sinceramente, a Cindy é muito melhor do que a madonna em relação a voz e entre outros aspectos. Mas infelizmente ela não teve as mesmas sortes que maddona que utilizou de polêmicas para se colocar mais surpreendente que ela. Mas mesmo assim tenho um carinho imenso por ambas, e sinto de mais por perceber que de fato, cindy caiu um pouco no esquecimento por que sem dúvida alguma, ela é um talento. Amo as músicas dela True Colous, time after time e é claro Girls just want to have fun. São músicas eternas.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *